Fita de Moebius

humanismo – política – sci-fi – software livre – achismos

Cruzando o Tempo

Posted by Márcio Gonçalves em abril 13, 2014

capa antológica

capa antológica

Vejam o valor de uma capa. A história acima, “Dias de um Futuro Esquecido” (Days of Future Past), é uma das preferidas dos fãs de X-Men e vai virar filme este ano. Mas nunca tinha me tocado do quanto a capa pode ter contribuído para o sucesso da história até o meu filho, então com 10 anos e que não lê X-Men, ter olhado para ela e contemplado-a por longos segundos e começado a me fazer perguntas.

Que a capa é icônica já é meio senso comum. O que não fica tão claro à primeira vista é que ela reúne duas características que quase não andam juntas: é sensacionalista e não é vulgar. Ou seja, o choque que vem da capa não é de associações gráficas com sexo nem com violência, mas da sugestão de que os heróis da revista X-Men tinham sido dizimados, invertendo a lógica de que os heróis sempre vencem. No futuro representado por aquela história, os heróis perderam. Quem não morreu está preso. O sonho de convivência pacífica entre humanos e mutantes acabou. Para reverter esta derrota, os mutantes sobreviventes fazem com que um deles projete a mente para seu próprio corpo no passado de modo a alterar um evento-chave: o assassinato de um senador por um grupo de mutantes terroristas.

A historia é uma pequena joia e muito influente. Foi publicada em duas partes de 22 páginas. Se tivesse mais umas dez páginas para detalhar visualmente o que aconteceu do assassinato do senador até aquele futuro ficava ainda melhor. Sinceramente não lembro de futuros sombrios em histórias de super-herois antes desta. A ideia de viagem no tempo com a mente só voltou a ser usada no filme O Efeito Borboleta.

Como foi publicada originalmente em 1980, muitos acreditaram  que  havia um filme de 1984 que teria plagiado Dias de um Futuro Esquecido:

oficialmente, este filme não é plágio dos X-Men

oficialmente, este filme não é plágio dos X-Men

Pensem só: volta ao passado para impedir um evento-chave. Se os X-Men vinham impedir o assassinato de um senador, Schwarzenegger vonha matar a futura mãe do líder dos humanos. Como no Brasil a história saiu pela primeira vez dois anos depois de “The Terminator” até o pessoal da Editora Abril botou a legenda “exterminadores do futuro” na parte de baixo da capa.

Pode até ser pretensão dos fãs de quadrinhos, mas o fato é que Terminator é plágio de outra coisa, pelo menos oficialmente.

O escritor Harlan Ellison é autor do episódio “Soldier” da série Outer Limits, sobre um soldado que viaja no tempo. Parece genérico demais pra ser plágio? Vejam a semelhança entre os dois, compilada no fan site James Cameron online:

Soldier e o Exterminador do Futuro: o que vocês acham?

Soldier e o Exterminador do Futuro: o que vocês acham?

E ainda tem uma outra história de Ellison para Outer Limits, “O Demônio da Mão de Vidro”, onde um sujeito desmemoriado luta contra pessoas estranhas que, depois se descobre, são alienígenas que vem de um futuro onde extinguiram a humanidade. Ellison diz que esta não inspirou O Exterminador do Futuro. Sei não. Acho que James Cameron saiu pegando um pouco de cada um, inclusive dos X-Men (e acho que o Exterminador tem méritos de sobra, independente disso). E, quem sabe, uma outra história célebre de Ellison, para a série Clássica de Jornada nas Estrelas também não pode ter sido mais uma fonte:

Kirk e Spock diante do Guardião do Tempo

Kirk e Spock diante do Guardião do Tempo

Eu e minha geração praticamente fomos iniciados com o tema de viagem no tempo com  “A Cidade no Limite da Eternidade” (The City on the Edge of Forever). (Vamos reconhecer que a série Túnel do Tempo também foi importante, mas não estiquemos demais este post).

Kirk, Spock e McCoy, através de um ente chamado “Guardião do Tempo”, vão parar na Grande Depressão dos anos 30, onde Kirk conhece a bela e idealista Edith Keeler. Alguma coisa foi modificada no passado e cabe a eles mudar a situação. Eles cumprem a missão, não sem surpresas.

 

O Capitão Kirk e Edith Keeler

O Capitão Kirk e Edith Keeler

Quem dera J.J Abrams adaptasse o roteiro original de Cidade no Limite da Eternidade para seu próximo Star Trek. O roteiro original de Ellison era bem mais amplo e teve que ser cortado por questões de orçamento e tempo. Bem, do jeito que as coisas andam, pode ser que alguém achasse que este hipotético filem era plágio de O Exterminador do Futuro… hehehe.

Tem muitas mais histórias de viagens no tempo. Este post não tinha a intenção de esgotar o tema, só falar de algumas preferências pessoais. E não esqueçamos que viagens no tempo são virtualmente impossíveis, com exceção daquela que fazemos diariamente, na velocidade de 24 horas por dia, do presente em direção ao futuro…

 

Days of Future Past, edição original

Days of Future Past, edição original

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: