Fita de Moebius

humanismo – política – sci-fi – software livre – achismos

O Médico e o Monstro

Posted by Márcio Gonçalves em julho 27, 2014

Nunca tinha ouvido falar do Dr. Gene Sharp até o final de 2013.  Ele é uma figura polêmica.

O Cientista da Rebelião

Dr. Gene Sharp, PhD em Teoria Política

Dr. Gene Sharp, PhD em Teoria Política

Gene Sharp nasceu nos EUA em 1928. Preso por protestar contra o alistamento militar  forçado na Guerra da Coreia em 1953, considerou os métodos de não-violência de Mahatma Ghandi e outros como base para os seus estudos, que o levaram a um doutorado em Teoria Política pela universidade de Oxford em  1968.

Seu primeiro livro foi publicado em 1960 com prefácio do físico Albert Einstein e era justamente sobre Gandhi. Seu segundo livro foi baseado na sua tese de doutorado e se chamava “The Politics of Nonviolent Action” (“A Política da Ação Não-violenta”). É deste livro que sai a didática lista “198 Métodos de Ação Não-violenta”.  Estão divididos em categorias como “protestos”, “não-cooperação social” (por exemplo, boicote a eventos), “não-cooperação econômica” (greves e boicotes de produtos, fornecedores, etc), “não cooperação política” (rejeição de autoridades, boicote a eleições), e “intervenção  não-violenta” (ocupações de rua, de prédios, etc).

Na década de 90, Sharp foi levado a Birmânia por um militar americano para dar conselhos para ajudar a derrubar a ditadura local. Sharp acabou escrevendo o manual “Da Ditadura à Democracia”, que além de auxiliar os birmaneses, começou a ser traduzido e se espalhou pelo mundo até chegar ao leste europeu e influenciou todas as revoltas anti-regime na Sérvia, na Ucrânia, Lituânia, Bielo-Rússia, etc (as chamadas “revoluções coloridas” das décadas de 90 e de 2000).

 

Um Pouco mais sobre Não-violência

Mahatma Gandhi

Mahatma Gandhi

O tema da luta não-violenta começou a ser mais conhecido com Mahatma Gandhi. A não-violência era parte de um caminho de opções éticas amplas, o “caminho do bem” ou Satiagraha que se contrapunha frontalmente à brutalidade e à discriminação dos ingleses na colonização da Índia.

Martin Luther King

Martin Luther King

Com Martin Luther King, a não-violência voltou na campanha pelos direitos civis, para acabar com a discriminação contra os negros nos Estados Unidos. Luther King disse ter se inspirado em Gandhi.

Mario Luiz Rodriguez Cobos, o "Silo"

Mario Luiz Rodriguez Cobos, o “Silo”

O pensador argentino Mario Luiz Rodriguez Cobos (conhecido como Silo) propunha a não-violência ativa como um meio de ação que rechaçava todas formas de violência (física, econômica, psicológica, etc). Neste caminho, seriam essenciais buscar a corerência (conformidade entre os pensamentos, sentimentos e ações de cada um) e a reciprocidade (que cada um trate os demais como quer ser tratado).

Para Gene Sharp, a não-violência era uma tática a se usar para derrubar governos autoritários. O que colocar no lugar? Depende do que os “ativistas não-violentos” quiserem assim que derrubarem o governo atual – Sharp nunca foi a fundo nesta questão e para alguns, se ele começou influenciado por Gandhi, afastou-se dele ao não abordar as consequências destes atos. E aliás, o governo-alvo da ação nem precisa ser autoritário – as técnicas de desgaste não-violento de Sharp são tão boas que basta começar explorando as contradições de governos eleitos que eles acabam caindo também. ( O chamado “Golpe de Estado suave”).

 

O Estranho Caso do Dr. Sharp e do Sr. Derruba-Governo*

Dr. Gene Sharp, PhD em teoria política

Dr. Gene Sharp, PhD em teoria política

Gene Sharp foi indicado para o Prêmio Nobel da Paz em 2011, 2012 e 2013, pelos sua contribuição a metodologias não-violentas de luta.

Mas o bom doutor aparenta ter um outro lado, mais sombrio.

Em 1983, Sharp funda o Albert Einstein Institution (AEI), para aprofundar e divulgar seus estudos. À medida que se vê quem são os financiadores do AEI, a coisa vai ficando mais estranha:

Open Society Institute – organização que “promove a democracia” e o conceito de “sociedade aberta” pelo mundo afora, Pertence ao magnata George Soros, que na década de 1990 parecia organizar ataques especulativos contra moedas nacionais e solapou o real no começo de 1999.

Fundação Ford – tem fama de promover todo tipo de organização que ajude o modo de vida americano a se espalhar pelo mundo, coisa que já fez inclusive  com o CEBRAP do Fernando Henrique Cardoso.

National Endowment for Democarcy  (NED)– fundação que é mantida diretamente pelo Departamento de Estado dos E.U.A., sendo assim um ponta-de-lança da política externa americana.

International Republican Institute (IRI) – tenta infliuenciar os paísese a adotar uma política neoliberal. O IRI e o NED executam algumas funções previamente executadas pela CIA (A Agência Central de INteligência dos EUS)

E é nestas más companhias que Gene Sharp andou influenciando uma série de revoltas mundo afora. O livro “Da Ditadura à Democracia” , conforme já dito, foi traduzido para várias línguas e influenciou em várias lutas antigoveno, notadamente no leste europeu (Sérvia, Geórgia, Ucrânia) e em muitos países da Primavera Árabe.

 

Qual será a verdade? 

O cientista? O golpista testa-de-ferro da política externa dos EUA? Uma mistura das duas coisas em proporção desconhecida? Quem é Gene Sharp?

Conhecer um pouco mais da história dos movimentos influenciados por Sharp pode trazer mais elementos para debater estas questões. Pretendo fazer post sobre isso a futuro.

 

 

* esta foi uma tentativa de fazer trocadilho com o título “O Estranho Caso do Dr. Jekyll e do Sr. Hyde”,  de Robert Louis Stevenson, cujo título brasileiro era “O Médico e o Monstro”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: