Fita de Moebius

humanismo – política – sci-fi – software livre – achismos

Posts Tagged ‘golpe de estado’

Quatro Anos de Turbulência

Posted by Márcio Gonçalves em agosto 6, 2017

bandeira_destruida

2 de agosto de 2017. Neste dia, o Brasil viu a câmara dos deputados livrar o ocupante da cadeira presidencial de investigação criminal. Isto foi feito a despeito da opinião majoritária de que Michel Temer deveria ser investigado pelos crimes implícitos nas gravações que vazaram dois meses antes, onde um diálogo com Wesley Batista apontava indícios de favorecimento à custa de entrega de malas de dinheiro e compra de silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Curiosamente, para se manter livre, Temer também comprou cumplicidade de deputados federais com liberação de verbas de emendas parlamentares, que aumentaram ainda mais o déficit do orçamento federal.

Algumas semanas antes, em 11 de julho de 2017, um senado federal pleno de membros acusados de corrupção retirou toda a proteção aos trabalhadores através da desfiguração da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), no que está sendo chamado eufemisticamente de “reforma trabalhista”. Agora o Brasil se tornou uma fazenda de mão-de-obra barata, disponível por qualquer salário, de qualquer jeito. O trabalhador fica com menos renda, de modo que também sairão perdendo os empresários cuja clientela majoritária seja de assalariados. O modelo só é bom para empresas que trabalham 100% para exportação; ou, ainda, para o setor financeiro, que tem capital suficiente para investimentos mundo afora, independente dos seus correntistas. Em breve devem surgir no Brasil fábricas com jornadas de 10 a 12 horas de trabalho por dia, seis dias por semana, com produção destinada prioritariamente para o mercado externo.

Em dezembro de 2016 o Brasil já havia se tornado o país que abdicava de investir em saúde e educação por 20 anos. O orçamento federal teve gastos congelados por duas décadas através da “PEC da morte” (oficialmente PEC do teto de gastos). Isto fará com que a educação e a saúde públicas tenham menos dinheiro para a população que vai crescer. Mas, por outro lado, sempre haverá dinheiro da taxa Selic para garantir uma polpuda remuneração de títulos da dívida pública para os bancos. Também se quer dificultar a aposentadoria da previdência social pública, o que estimulará a previdência privada, serviço mantido em grande parte por bancos. Os bancos são a ponta mais visível do capital financeiro, o poder hegemônico da atualidade. Há outros setores do capital que estão ganhando no Brasil pós-impeachment, mas somente o capital financeiro foi capaz de fazer o Supremo Tribunal Federal prestar-se ao papel de se submeter às vontades de Renan Calheiros para ter a certeza da aprovação da PEC da morte.

E qual a reação das camadas atingidas por este cenário tão anti-humanista? Tentaram-se duas greves gerais em abril e junho de 2017, a primeira foi mais bem-sucedida que a segunda; a repressão foi violentíssima em Brasília. Mas não há um grande movimento nacional de repúdio às violências que surgem. Bem diferente de junho de 2013, onde uma grande onda tomou as ruas. Inicialmente, as “jornadas de junho” começaram contra o aumento de preço das passagens de ônibus em algumas cidades. Num momento de desemprego baixo, média salarial alta e passagens subsidiadas por vale-transporte para os trabalhadores mais humildes, idosos e estudantes, a reivindicação poderia ser vista como secundária. Talvez por isso o leque de reivindicações foi aumentando. As redes sociais foram fundamentais para este aumento. Alguns vídeos da época, gravados nos Estados Unidos, viralizaram. Os vídeos discutiam a pertinência de o Brasil gastar dinheiro público em eventos como Copa do Mundo e Olimpíadas. Estava justamente ocorrendo a Copa das Confederações, evento-teste da FIFA, e o terreno era fértil para esta reivindicação. Outro fator que alimentou o crescimento das “jornadas de junho” foi a violência desproporcional da repressão às manifestações por parte da Polícia Militar de São Paulo (onde não ocorriam jogos da Copa das Confederações), chegando a cegar o olho de um fotógrafo com bala de borracha. Um tanto implicitamente, se fazia crítica do governo de centro-esquerda petista, pelas concessões que fazia ao capital. Grandes eventos são bons para empreiteiras, aumento de passagens são bons para os plutocratas do setor de transporte, acordos com as raposas fisiológicas de centro-direita geram abandono de algumas lutas históricas. Estes são reais problemas que a esquerda já levantou historicamente no Brasil contra os governos de centro-esquerda (trabalhistas) de Getúlio Vargas, João Goulart e os governos petistas. Mas esta crítica esquece que o Brasil é um país tão carente de inclusão social, com um cotidiano tão árduo para a maioria das pessoas, que qualquer política pública que diminua esta dor será lembrada com saudade por estes brasileiros. Por isto este governos são lembrados. Por isso o povo pedia a volta do ex-ditador Vargas em 1950. Por isso a aprovação de João Goulart era alta quando ele foi derrubado pelo golpe de 64. Por isso pesquisa do jornal Valor Econômico em fevereiro de 2017 indica uma “saudade de Lula” em alguns eleitores de baixa renda. Enquanto a crítica das semelhanças da centro-esquerda com a direita deve ser feita, as diferença que as pessoas sentem na prática podem ser usadas como ponto de partida para políticas públicas num programa de governo mais à esquerda.

Continue lendo »

Anúncios

Posted in política | Etiquetado: , | Leave a Comment »

Tecnologia de Golpes

Posted by Márcio Gonçalves em junho 24, 2013

Golbery do Couto e Silva 12

Golbery do Couto e Silva

mourao01

Olympio Mourão Filho

As duas últimas semanas surpreenderam todo mundo. Eu, do meu lado, não posso mais ficar espantado com a falta de originalidade da direita em produzir golpes e desestabilizar governos.

Antes era tudo meio patético. Não tendo nem mesmo um discurso para ganhar o governo no voto popular, começou uma espécie de terrorismo na mídia: racionamento de energia, inflação “descontrolada”, aumento dos juros, tomate.

Aí veio o boato do fim do bolsa-família. Estranho. Tão seletivo, tão bem-espalhado, tanto tumulto. Aí tinha.

Junho chegou e o caos veio junto com ele. Manifestações pela redução das tarifas de ônibus chegaram e com elas a repressão violenta da polícia paulista. Aí, a extrema direita se juntou e começou o quebra-quebra. Em questão de dias, um forete trabalho de divulgação conseguiu juntar milhões de jovens em todos no Brasil para criar o quadro de caos e convulsão social que o “iminente” racionamento e o tomate não conseguiram. Golpe de mestre da extrema direita.

A direita e a extrema direita no Brasil perseguem o mesmo objetivo de derrubar ou desgastar governos trabalhistas, mas agem por caminhos diferentes e às vezes batem cabeça uma com a outra. No golpe de 1964, o general Golbery do Couto e Silva era o cérebro da direita no Brasil. Articulava empresários e militares através do Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais (IPES), trabalhando para virar a opinião pública ao seu alado, atuando em sindicatos, organizações religiosas, estudantis, femininas, empresariais  e jogando pesado no financiamento de políticos através do Instituto Brasileiro de Ação Democrática (IBAD). O objetivo dele era estabelecer a hegemonia do capital nas decisões de governo, com uma ênfase no aumento de facilidades para o capital estrangeiro. No mesmo golpe de 1964, o general Olympio Mourão era  o cérebro da extrema direita, por assim dizer. Foi ele que saiu na frente e deslocou suas tropas de Minas para o Rio. Ele não gostava de Golbery nem da Escola Superior de Guerra, que seguia uma linha de pensamento semelhante à de Golbery. O objetivo de Mourão? Tirar aquele monte de “comunistas safados” do governo e do país também, pro trabalho ficar bem feitinho. A ousadia de Mourão levou vários militares da extrema direita (a “linha dura”) a comporem o governo que a princípio seria só da turma do IPES. Os presidentes-ditadores Costa e Silva e Médici vieram da extrema direita.

Esta semana a história se repetiu. “Mourão” saiu na frente e o “IPES” teve que seguir. Mourão no caso foi a extrema direita que começou o seu movimento “occupy manifestações”. O IPES no caso é o Instituto Millennium, que tenta fazer a mesma coisa que seu antecessor fez, sem tanto sucesso. Quando o Millenium viu que a extrema direita ia tomar conta das ruas, pelo menos um de sues membros voltou atrás instantaneamente. Já é um clássico o “mea culpa” de Jabor, “abençoando” as manifestações depois de pedir para a polícia baixar o sarrafo. A Globo cobriu todos os eventos, com bastante ênfase na exibição de vandalismo.

O Millenium trabalhava na construção da imagem de Aécio Neves, a extrema direita aponta para Joaquim Barbosa. Para este blogueiro, a candidatura Joaquim Barbosa já estava liquidada há algumas semanas. Quebrei a cara.

O objetivo do Millenium era sangrar a imagem de Dilma até ela chegar fraca na eleição de 2014. A extrema direita quer um golpe de estado agora e, se possível, a extinção de todos os partidos.

A semana que começa amanhã promete. A esquerda quer recuperar a hegemonia do discurso das manifestações, a direita e a extrema direita podem divergir ainda mais.

O que esperar?

Posted in política, Uncategorized | Etiquetado: , , | Leave a Comment »